15 de ago de 2009

Clamor



Na falta de canções
Que me falem simplesmente
Do que quero saber,
Soltei a voz na casa vazia,
E o que ouvi soou-me estranho,

Ainda mais que a voz
Tapou os ouvidos, torceu o nariz
E, pela manhã, disputava
Comigo o calor de outras poucas
Vozes a quem dei os braços...

Ao anoitecer travamos batalhas
Em algumas harmonias que resistiam
Ao frio da noite que caia lânguida,
E ao amanhecer, num coro, conseguimos
Nos entender, num tom quase afinado...

No correr do dia bailamos ao som
Que nos encantava e, de braços dados,
Eu e a voz sorríamos exaltadas e urgentes,
Enquanto os vizinhos tapavam os ouvidos
E torciam, vigorosamente, o nariz...




Patrícia Gomes
Imagem: Katarzyna Rzeszowska

Nenhum comentário: