9 de jun de 2009

Totalmente Despudorada



Ergueu o corpo num espasmo
Sentindo os dedos que, como guia,
Seu grelo circundava e assim
Conduzia-lhe ao frêmito ansiado


De pentelhos eriçados sentia
Liso e intumescente o pau a
Roçar-lhe as coxas e, entre dentes,
Ardia em desejos e gemidos


Os lábios se entreabriram com a
Língua a forçá-los e a mão arisca
A coçar-lhe a gruta movendo-se
Docemente num sôfrego embalo


E quase desfalecendo ela pedia
Num sussurro breve: “mais depressa!”
Meti-lhe a porra mal segura
E seguimos a noite toda nos comendo!




Patrícia Gomes
Imagem: Via: Amante das Imagens

Um comentário:

Débora disse...

Ai que delícia!!! Adooooro suas poesias, elas são altamente inspiradoras e inflamáveis!!!

Beijos manuska!
Amo vc!

Pucca.