7 de jun de 2009

Repetidamente Mulher



Toco teu corpo como ao meu
Vejo-te, como num espelho,
Quando sinto tuas mãos arrepiarem
Meus pentelhos, como as minhas os teus


Beijo teus seios enquanto passeias
Teus dedos em minha gruta já úmida
E sinto teu sorriso por sentir o cheiro
Do nosso desejo rescendendo no ar


Coxas encaixadas, seios intumescem
Roçando volúpia em bailado repetido
De toques e carícias desinibidas de
Iguais montes vertendo febres


Teu cheiro é quente e me alastra
A pele em suor que deixo escorrer
Por minha língua marcando a trilha
Que faço em teu contorno corpo


Minha dimensão dança em teu espaço
E em teu regaço pouso sedenta de gozo
Que me serves de teu corpo taça
Diretos em minha seca boca ditosa.


Danço contigo, o balé dos nossos
Corpos iguais, mulher querida, e
No frêmito conjunto teu urro
Sai de minha garganta, enquanto
Meu ventre goza no teu...


Patrícia Gomes
Imagem: Desconheço autoria da imagem.



Esse poema vai em homenagem às minhas lindas amigas: Micaella, Dani,Thamires, Karine,Cacau Rodrigues, Nanda e a todas as amigas que amam mulheres e aos que sabem respeitar as escolhas de cada ser humano!!!

Um comentário:

DnSk disse...

Gente! Só li hoje. Te amo, Paty! Pela amizade que não esmaece como as fotografias antigas...