29 de jan de 2014

Mar azul - Paloma Vidal





Será que há alguma forma de alguém passar a vida sem ter que se deparar com a solidão, com fugas e buscas, com o interiorizar-se em suas angústias para, quem sabe, entender a si mesmo e à sua existência? Será o abandono algo que realmente precisamos ter em nossa vida como uma espécie de aprendizado?

Mar azul, da argentina Paloma Vidal, fala um bocado de todos esses assuntos e me fez pensar mais ainda em cada um deles. E quando vi o Kalebe, d'O Espanador e também a Denise [sempre!!], do Cem anos de literatura [ia escrevendo solidão... o.O] falarem um pouco sobre ele, confesso que não atinei que o mergulho nesse mar fosse me despertar tantas emoções revoltas.

Essas águas revoltas me circundaram de tal maneira que até agora não sei ao certo o que falar e como falar desse livro incrível! E fico temendo dar voltas e voltas sem sair das margens da minha prolixidade que tantas vezes me parece sem fim...

Falei de quando eu vi o mar pela primeira vez. Eu disse que nunca me esqueci disso. Eu acho que eu disse que foi a emoção mais forte que eu já senti.”

Não há dificuldade em se acompanhar a escrita da Paloma, que é fluida, bem desenhada e elegante. Mas se o livro aparenta uma certa simplicidade e leveza, já que ele não é extenso e é composto de capítulos curtos, não disfarça a profundidade do tema. O início do romance pode surpreender ou assustar, vai depender do que o leitor espera; já que em suas primeiras 30 páginas é composto por diálogos simples, quase ingênuos, entre duas adolescentes, e sem nenhuma identificação entre elas. Só mais tarde é que encontraremos uma protagonista mais velha, na casa dos seus 70 anos, que se encontra às voltas com uma rotina totalmente estabelecida e que busca nela, de algumas formas, ligar-se ao pai, distante há tantos anos.

E é na esperança de resgatar, novamente, o encontro com esse pai, que a protagonista passa a ler os cadernos que ele foi escrevendo ao longo dos anos e que ela também acaba por usar como diário pras suas anotações sobre a sua rotina entediante, escrevendo no avesso das memórias do pai...  Assim vemos a vida de pai e filha sobrepostas, o tempo também nessa brincadeira, sobrepondo passado e presente, onde a protagonista se descobre preenchendo as lacunas em branco do pai.

Espero que algo me diga: vá. Algo que não sou eu, que não é minha voz, talvez meus músculos, minha pele, meus órgãos. Algo que se mova sozinho. Algo que me faça dar o próximo passo. Quando penso isso já estou debaixo do chuveiro e a sensação da água sobre mim me diz que o dia vai ser bom.”

É difícil falar de Mar azul, porque sua força inteira está nas entrelinhas, no que vamos descobrindo à medida que a protagonista também se permite mergulhar e emergir em si mesma. São as lembranças que guiam essa espécie de quebra-cabeças de si mesma.

E é como as ondas no mar, num indo e vindo contínuo que Mar azul se faz tão grande, tão amplo e tão profundamente denso, falando muito mais e mais alto do que essas parcas palavras desencontradas que tento, sem muito sucesso, articular!


♥♥♥♥




Título: Mar azul
Autora: Paloma Vidal
Editora: Rocco
Ano: 2012
Páginas: 176


5 comentários:

Flávia disse...

Gostei muito da sua resenha. Também já vi o Kalebe e a Denise falando sobre esse livro. Depois a Tati Dantas leu, agora você. De forma que é difícil não ficar com vontade de ler esse livro. Todos esses temas são recorrentes em nossa vida, mas sempre muito difícil de lidar com eles com maturidade.

Beijos!

Livros Incríveis Quel disse...

Concordo com a Flávia, difícil nao querer ler depois que tantos falaram bem e vocês têm preferencia,né? parece ser lindíssimo e assim a minha lista que eu já nao dou conta, vai aumentando, assim como a minha vontade! eu demoro, mas venho te ver! :) um beijo, queridinha

Raquel de Mello disse...

Não sei o que aconteceu comigo, creio que esse livro mexe com um lado desconhecido de mim. Criei uma certa resistência, mas vou terminar a leitura. A escrita da Paloma é muito bela e singular.
Beijos! <3

Pipa disse...

Esse livro dói, não consegui escrever nada sobre ele, quem sabe depois de mais tempo. Mas gostei muito da Paloma Vidal, fiquei com vontade de ler mais coisas dela.

Muito boa sua resenha, Patty!

beijo,

Pipa

Melissa Padilha disse...

adoro suas resenhas Paty!! Poxa fiquei com uma imensa vontade de ler esse livro, o mote da história parece ser muito interessante.
Eu vi a resenha da Denise e já tinha anotado no caderninho de desejos !! :)
bjoss lindeza!