7 de jul de 2010

Sibila

a manhã começa tarde e lenta
enquanto a presença de alguns mortos
tenta ferir-me, mas é em vão,
ecoo, sorrisos e escárnios;

tenho apenas trinta e tantos anos,
já vivi muitas mortes, minhas mãos
ainda sangram de todas elas, mas ainda
tenho mais de nove vidas para morrer

e não será por conta daquela foice
afiada, incansável, que descansa e recomeça
que desperdiçarei mais algumas;
essa língua deveria ser cortada fora!

deveria?

quem sabe seria uma boa idéia, ou não.
mas não passa de triste língua bifurcada
cuja cauda já não sibila, pois há tempos
a música do baile cessou.

tenta sibilar meus pecados
mas rio e danço pois que ainda
ouço a música e danço
danço
danço
até a morte certa
de todas as minhas vidas bem vividas.



Patrícia Di Carlo
Imagem: Mashpotato18

Um comentário:

Elisa Zavam disse...

Adorei este texto
apesar da tristeza...
Vamos sim viver e viver...
Ops. Daçar e dançar...

Conte comigo se o seu par faltar, beijos!!