12 de abr de 2009

Conjecturas

Queria entender o que há em mim que me governa assim, meio que desgovernadamente. Corro tantas vezes em círculos, assim como em linhas retas, das quais não gosto e nem quero, mas corro. Queria entender esse labirinto no qual me vejo inserida mesmo quando tudo o que quero é a vastidão de uma planície de céu, ou um mergulho na calma ondulante do mar. E, no entanto, há uma sigla médica que poderia muito bem me definir, mas aí é outra questão que não sei bem se quero ter como uma justificativa ou como mais um rótulo preso ao meu corpo. Agora eu gostaria de beber algo forte, mas não busco a embriagues, como muitas vezes o fiz, achando que seria o caminho mais curto e fácil para conseguir adormecer. Gostaria, apenas, da leveza sustentável fluindo do sangue para a pele, a liberdade de me desfazer de certas fronteiras que me seguram onde estou. Quero ir pra fora desse lugar onde me encontro, correr em campos mais úmidos e frescos, onde pudesse sentir as palavras me envolverem me dando vida...


Agora eu só gostaria de saber escrever o que nem sei direito, mas que sinto...


Imagem: Ledesma Millennium


Nenhum comentário: