12 de dez de 2012

Eu poético: Reprodução



na dormência do corpo
recobro pulsando, nas veias,
o tom do mundo

hoje não reconheço os tijolos
expostos de dores alheias, 
os meus, em demolição,
são tão mais antigos


meu passado nada sabe
de meus dramas e de
meus açudes sangrados,
nada lhe falei de dores e patuás


regenero, com metálica força, 
os degraus de meus tratados e
reitero os que julguei imundos

e abro, novamente, os braços
que tinha como rotos.




Patrícia [Di Carlo] Gomes
Imagem: Elton Fernandes


Nenhum comentário: