31 de dez de 2009

Engenho



No pouco tato que tenho
Nada digo de engenho

Moo sementes e folhas secas,
Das raízes extraio exílios

Espio passados se fartando
No leito do presente

Há tanta sobra de gente,
Sobejos de paixões falidas

E a tarde desmaia
Quando um pouco da noite
Dobra a esquina


Patrícia Gomes
Imagem: Thorn Erose



Nenhum comentário: