13 de out de 2009

Prodígio Humano



Como um errante milagre
Minha pele brilha
Com o odor nacarado do sal
Unido à textura rubra do sumo.


Gosto do corte afiado da
Lâmina em minha carne,
É doce o escorrer vermelho
Pela ferrugem da armadura inútil.

Todo o hálito amargo
Desaparece por um minuto,
Funde-se num grito
E pago o preço.


Morrer é uma arte
na qual quero ser excepcional!



Patrícia Gomes
Imagem: Werol

Nenhum comentário: